Cirurgia plástica: o que saber antes de fazer

Evite riscos! O cirurgião plástico dr. Dov Charles Goldenberg dá dicas sobre segurança, escolha do médico e do local onde o procedimento pode ser realizado.

O brasileiro é vaidoso. A vice-liderança no ranking mundial de cirurgias plásticas comprova isso – estamos atrás apenas dos EUA. Em 2015, aproximadamente 1.3 milhão de procedimentos foram realizados no Brasil, segundo dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética. Mas apesar da popularidade, a plástica é um procedimento médico, muitas vezes cirúrgico, e que merece muita atenção. Confira as dicas do cirurgião plástico dr. Dov Charles Goldenberg e saiba o que considerar antes de qualquer procedimento.

Segurança: a regra número um

Há uma falsa ideia de simplicidade que envolve os procedimentos cirúrgicos em cirurgia plástica. Como em qualquer procedimento médico a segurança do paciente deve sempre ser considerada como o ponto mais relevante. Segurança do paciente inicia na primeira avaliação e somente termina após a alta médica no consultório.

Todas as etapas do tratamento são importantes e para garantir a segurança máxima do procedimento é necessário:

  • O correto diagnóstico do que será tratado
  • Avaliar eventuais problemas de saúde que o paciente apresenta
  • Compreender (paciente e médico) os riscos do procedimento: complicações e intercorrências possíveis
  • Explicação E compreensão detalhada dos resultados que serão obtidos (alinhar expectativas)
  • Conhecimento em relação às alternativas de tratamento

A indicação do procedimento é de responsabilidade do médico. Apesar de muitas vezes o paciente desejar uma intervenção, cabe ao profissional médico por meio de seus conhecimentos, ética e diligência definir se o procedimento é pertinente. A confiança no profissional aumenta à medida que o mesmo age com sinceridade e profissionalismo.

Escolha do profissional

O profissional que executa cirurgias plásticas deve ser habilitado e possuir credenciais para execução segura do procedimento. Possuir Título de Especialista reconhecido pela Sociedade de Especialidade ou pelo Ministério da Educação (MEC) garante a formação específica na área. No Einstein, por exemplo, os profissionais devem possuir título de Especialista para seu credenciamento.

Escolha do local

Todo procedimento médico deve ser realizado em ambiente seguro. Existe legislação específica que determina os limites para a execução segura de procedimentos em diferentes ambientes, como clínicas, hospitais-dia e hospitais gerais.

O tipo de procedimento, riscos envolvidos, duração, tipo de anestesia e necessidade de pernoite determinarão o melhor local para sua realização. Obviamente, nenhum local como apartamentos, residências ou clínicas de estética, possuem estrutura para realização de procedimentos médicos.

O ambiente hospitalar é, por definição, o mais seguro para a execução de qualquer procedimento médico.

Pós-cirurgia

A equipe médica e multiprofissional deve garantir ao paciente a melhor qualidade de cuidado: antes, durante e após o procedimento. Orientações pré-operatórias claras e precisas juntamente a uma adequada avaliação clínica garantem um procedimento com máxima segurança.

A cirurgia deve ser realizada em ambiente seguro, com equipe completa, monitorização do paciente, prevenção de tromboembolismo venoso e controle da dor.

No pós-operatório todas essas medidas de segurança devem ser mantidas.

O profissional cirurgião e sua equipe prestam assistência ao paciente, avaliando o resultado imediato, cuidando dos curativos e fornecendo orientações de medicação e agendamento de retornos em consultório.

Os retornos pós-operatórios são fundamentais para permitir a adequada evolução do processo de cicatrização e oferecer assim, o melhor resultado.

Por dr. Dov Charles Goldenberg, cirurgião plástico da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Fonte: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein