ERGOFTALMOLOGIA: SINDROME DO SMARTPHONE OU “TEXT NECK”

A chegada das novas tecnologias causou um grande impacto mundial, que ainda hoje segue revolucionando nosso meio de vida. A tecnologia está cada vez mais presente em nosso cotidiano e se transformou em um elemento imprescindível para a comunicação, o trabalho e muitos outros aspectos da nossa existência. O smartphone é um dos dispositivos eletrônicos que mais alcançou usuários até hoje, estimando-se que mais de 4 bilhões de pessoas tenham pelo menos um em 2016.

O chamado “pescoço de texto” ou “Text Neck” ou Sindrome do Smartphone, é um problema que já existia por outros motivos, mas com o advento do uso de smartphones e pela dependência destes equipamentos, houve um aumento expressivo de quadros dolorosos e complicações de correntes. Antes apareciam: em posturas de trabalho por tempo prolongado, com flexão excessiva da coluna cervical/pescoço, tanto para trabalho em pé como sentado, a exemplo:

  • avaliadores de penhor;
  • trabalho em laboratórios químicos, onde a flexão para observação de amostras por período prolongado é frequente;
  • trabalhos em bancadas com flexão acentuada cervical por longo período, sem pausas adequadas;
  • uso de notebook sem suporte, forçando e flexão acentuada da cabeça, ou mesmo em monitores muito baixos nos postos de trabalho, quando o correto é manter a linha superior da tela no nível dos olhos.

Porém, com o uso de smartphones, além da postura fletida da cabeça e pescoço, tem a adução (fechamento) dos ombros, que contrai a caixa torácica, reduzindo a expansão dos pulmões, consequentemente reduzindo a capacitada de recuperação/renovação celular/oxigenação.

Importante à questão da atenção prolongada na tela do celular, onde a pessoa pisca menos (segundo estudos em média 5 vezes menos) e isso leva ao que chamamos de: “fenômeno da automação”. O ato de piscar lubrifica a córnea, descansa os olhos, musculatura da cabeça, da coluna cervical e estimula a percepção da passagem do tempo, ou seja, quem fica muito tempo na frente de um computador, notebook ou smartphone, sem parar e/ou interromper para descansar, alongar, alternar postura (tempo maior que 2 horas na soma de um dia/24hs), acaba perdendo a noção do tempo, irrita os olhos (ressecamento, coceira, ardência, uso de colírios lubrificantes oculares), não permitindo que a musculatura da cabeça, pescoço e ombros sejam oxigenadas, levando a dores musculares, de cabeça e pressões sobre as vértebras, aumentando o risco de desgaste precoce da coluna (artrose).

A postura curvada excessivamente leva a uma cadeia de descompensações, comprometendo todo o corpo (coluna torácica/meio das costas, coluna lombar). Como consequência alterando a forma de pisar/caminhar. Também pode alterar a digestão (azia, mal estar gástrico, etc) pela compressão excessiva da musculatura anterior do tronco.

“Text Neck” ou pescoço de texto, é como tem sido chamada nos Estados Unidos, pelo médico Kenneth K. Hansraj, chefe do Setor de Cirurgia de Coluna, do Centro Médico e de Reabilitação de Cirurgia de Coluna em Nova York. Ele desenvolveu uma pesquisa, utilizando um modelo que simulou as forças que atuam na coluna a partir de várias posições de flexão da cabeça e do pescoço. Considerando que o peso médio da cabeça de um adulto é de cerca de 6kg na posição correta, equilibrada, nos primeiros 15° de flexão da cabeça, o peso dobra. Com 30° de cabeça baixa, o peso passa a ser o equivalente a 18kg. Com 45°, a cabeça pesa sobre os ombros e a coluna cervical cerca de 22kg e, finalmente, quando estamos lendo algo muito interessante, que aproximamos mais ainda a cabeça do dispositivo para ler aquele texto, o nosso corpo precisa “segurar” a cabeça, que, nesse momento, está pesando quase 30kg.

 

Hoje, 66% dos jovens na faixa etária de 8 a 18 anos possuem seu próprio celular. Esta faixa etária usa os smartphones acessando as diversas formas de mídia para informação, entretenimento e relacionamento, entre outras, permanecendo em torno de sete horas/dia assistindo TV, jogando videogame, ouvindo música, lendo livros online e visitando websites. Se considerarmos uma previsão, é possível que existirá mais de dois bilhões de dispositivos digitais no mundo até 2018 (KAISER F., 2015).

Mas também temos recentemente, a grande exposição dos trabalhadores aos chamados: “disponibilidade 24 horas”. Empregados e empregadores confundem meios de comunicação, a exemplo do whatsapp, com carga horária de trabalho de 24 horas e abusam deste recurso, acessando pessoas (trabalhadores ou não) de maneira abusiva. Estes, não querendo “cortar” relações por medo ou receio de “boicotes” ou má interpretação, acabam se disponibilizando por tempo indeterminado, a darem retornos ou a fazerem contatos, sem perceberem que estão ultrapassando o que chamamos de “direito e dever do ser humano”: manter uma vida saudável com atividades alternadas de trabalho, tempo para descanso, lazer, família, prazer, etc, sem que isso seja apenas comunicação eletrônica. É preciso recomeçar a prática dos encontros presenciais e conversas pessoais para manter nossa saúde física e mental.

Dicas para que as pessoas evitem o desenvolvimento do “pescoço de texto/text neck”/Síndrome do Smatphone:

  • Ao manusear o smartphone, mantenha-o alinhado na linha dos olhos, de modo que a cabeça fique alinhada com o tronco;
  • Procure apoiar os cotovelos em uma mesa ou bancada, para não ter cansaço nos braços suspensos, evitando curvar para frente o tronco e cabeça;
  • A cada 15 minutos procure fazer pausas no mínimo iguais do uso do celular;
  • Ao dormir e acordar faça movimentos com os ombros e pescoço para aliviar as tensões das posturas prolongadas do cotidiano.

Apesar da preocupação com a Síndrome do Smartphone, ou “pescoço de texto” (text neck), não podemos esquecer que a tecnologia faz parte do processo civilizatório do homem e ela acontece principalmente para facilitar as relações entre nós. Evoluir é um processo em continuidade. Não há dúvidas que ao longo do tempo ainda evoluiremos mais e estaremos mais conectados pelas tecnologias, porém, é preciso tomar cuidados para que o uso em excesso não seja um fator negativo: temos que ter a tecnologia a nosso serviço e não vivermos como se ela fosse a única alternativa de comunicação.

Desligue o seu smartphone quando se encontrar com um amigo para aproveitar melhor o papo, ou quando estiver com seu filho. E ao sair do trabalho, coloque-o para “dormir” em relação aos contatos profissionais. Sua saúde e família agradecem!

Fonte: BAÚ, Lucy Mara (Ocupamed Fisiotrab, Ergonomia, Saúde e Segurança no Trabalho)