Exercícios e alimentação: veja dicas do que os dois juntos podem fazer

Tem gente que gosta de esportes aeróbicos e atividades físicas prolongadas. Outros preferem algo de menor impacto. Mas, em qualquer caso, a alimentação adequada, antes ou depois da aula, é fundamental para que a prática dos exercícios tenha o resultado esperado.

Nutricionista especializada em emagrecimento e fitoterápicos de suplementação, Mariana Tornincasa Cabral destaca que é a qualidade do que se come o mais importante. Já a quantidade, depende do exercício e do objetivo.

Para atividades mais leves, como hidroginástica, caminhada e alongamento, a profissional indica um lanche cerca de uma hora antes do treino. A sugestão, segundo ela, é pão integral com queijo branco e uma fruta, ou torrada com patê de frango (pode variar com atum) e suco de uva integral.

“São opções leves e que não vão prejudicar a digestão. O ideal é consumir carboidratos antes, que seria o pão ou a torrada, assim o organismo tem energia para gastar sem causar danos ao corpo”, explica.

Já depois de praticar os exercícios, Mariana sugere iogurte natural com uma fruta picada, que pode ser maçã, pera ou banana. Outra opção é um mix de castanhas com frutas secas; como damasco e uvas passas.

As atividades de longa duração, funcionais ou mais pesadas também pedem alimentação antes do treino. “Se a pessoa sai do trabalho e vai direto fazer exercício, aconselho uma alimentação líquida como suco de frutas naturais ou água de coco. Agora se tiver mais tempo, para comer uma hora antes, indico uma tapioca com ovo mexido ou salada de frutas com castanhas”, ensina.

Depois dos exercícios, a dica é caprichar na proteína para “alimentar” os músculos. Um mix de frutas secas ou uma crepioca são boas opções. A receita da crepioca é simples: um ovo e uma colher de tapioca misturados, colocados em uma frigideira para dourar, como se fosse uma panqueca. Ou, ainda, risoto de quinoa.

Começando na musculação

Quando a pessoa é iniciante na prática da musculação, a nutricionista sugere uma alimentação mais leve. Dessa forma, dá tempo do corpo se adaptar. Agora, no caso de um treino com mais carga e menos repetição (de força), Mariana indica proteína durante todo o dia, seja no café da manhã, almoço e jantar.

O lanche sugerido antes do treino é suco de melancia, tapioca com ovo e chips de batata doce. Para variar, um escondidinho com a dupla mais conhecida por quem frequenta as academias: frango com batata doce. Para beber, água de coco.

Depois de gastar bastante energia, é necessário ingerir bastante carboidrato e proteína, como um omelete de atum (de frango ou queijo branco) e suco de melão com mel (ou frutas vermelhas com tâmara). Torta de frango e um suco de limonada rosa (morango e limão) também são outra dica.

Dependendo do horário, se for na parte da manhã, pode ser até um sanduíche natural com pão integral, salada e frango desfiado.

Segundo Mariana, é possível montar um cardápio sem suplementação. “Você não é obrigado a comprar um suplemento só porque se matriculou em uma academia. Depende do metabolismo do paciente. Eu não sou uma nutricionista que sai passando suplementos para todos. Não sou contra, mas acredito que devem ser prescritos de acordo com a necessidade nutricional de cada corpo”, relata

Não consegue beber água?

A nutricionista Karina Abbud, especialista em nutrição celular clínica e esportiva, dá dicas para quem não tem o costume de tomar água durante a atividade física e nem mesmo ao longo do dia. ”Uma opção é sempre ter uma garrafinha por perto, para não esperar ter sede para se levantar e ir buscar”.

Já para quem não gosta de água, Karina indica buscar outras opções, como a água de coco. “Não tem corantes como as opções industrializadas que prometem ajudar a repor os líquidos e sais minerais perdidos”, explica. Além dos sucos de caixinha e refrigerantes, que podem parecer matar a sede, mas que trazem muitas calorias e açúcar.

Estratégias para emagrecer

Para quem quer perder peso, Karina orienta esperar cerca de meia hora depois da aula para se alimentar. Os alimentos podem ser os mesmos, mas em quantidade menor. Ficar esses 30 minutos sem comer faz com que o corpo realize a termogênese, ou seja, continue queimando gordura.

No entanto, se não houver nenhuma alimentação, o corpo começa a retirar energia do músculo. “Em um primeiro momento a pessoa pode até perder peso, mas está perdendo massa magra. Para queimar gordura é preciso que a célula tenha energia para trabalhar”.

Ela esclarece ainda que ficar sem comer aumenta os níveis de radicais livres e, no lugar de queimar gordura, o corpo queima o músculo e o lesiona com facilidade. ”Não dá para fechar a boca indiscriminadamente”, explica.

Vontade de comer doce?

Tem muita gente que sente uma necessidade intensa por doce. O açúcar traz energia rápida para o corpo, e, às vezes, pode ser fome. “Quando não se come bem em outras refeições o corpo pede energia e é aí que podemos confundir. Uma ansiedade ou mudança hormonal também pode dar essa sensação”, esclarece a nutricionista.

Ainda segundo Karina, deve-se observar se está comendo devagar, mastigando direito e tendo uma alimentação balanceada. O músculo e o cérebro necessitam de carboidrato. ”Se não for consumido, pode dar uma sensação de fome constante. Grãos e cereais podem ser aliados: amaranto, flocos de quinoa, arroz integral e outras opções.

Fonte: A Tribuna