Fisioterapia e Auxílio no combate à osteoporose

Outubro tem algumas datas significativas. No dia primeiro é comemorado o Dia do Idoso, e dia 13 o Dia do Fisioterapeuta e Terapeuta Ocupacional. Fisioterapia, aliás, é umas das especialidades que mais se relaciona com as pessoas da terceira idade.

Entre várias doenças comuns nessa faixa etária está a osteoporose. Há estudos que dizem que a maioria dos idosos não sabem que tem osteoporose, e só descobrem quando sofrem uma queda, por exemplo.

Mas o que é a osteoporose? A fisioterapeuta e diretora acadêmica da Inspirar, Sibele Knaut, explica que a osteoporose é uma doença que se caracteriza pela perda progressiva de massa óssea. “Como esta perda de massa ocorre por diversos fatores, como maus hábitos alimentares, falta de atividade física e alterações hormonais, os ossos vão enfraquecendo lentamente e ficam cada mais suscetíveis a fraturas com o passar dos anos. A dor crônica, a depressão, a deformidade e a perda da independência são complicações importantes da osteoporose”.

Sibele destaca que uma das formas de prevenir a doença também é com a fisioterapia, mas ressalta que a melhor maneira de prevenir a osteoporose é manter uma atividade física regular com resistência. “Esta atividade deve ser supervisionada por um profissional habilitado, que na maior parte das vezes é o educador físico. Caso o indivíduo possua alguma doença crônica não transmissível (ex. diabetes, pressão alta, tabagismo), a atuação do profissional fisioterapeuta é imprescindível”. A análise do contexto global deste indivíduo é de extrema importância para a aplicação de estratégias de intervenção que foquem no aumento e preservação da massa óssea. Alimentação saudável também deve fazer parte da rotina do indivíduo.

E para quem já tem a doença a fisioterapia tem importante papel na prevenção dos agravos e prevenções de quedas. Estratégias como pilates, treinamento funcional, treino de equilíbrio em diversos contextos ambientais, são algumas das possibilidades que o fisioterapeuta possui dentro do seu arsenal terapêutico. “Vale ressaltar que a escolha da estratégia é feita pelo fisioterapeuta após uma consulta detalhada sobre as necessidades e preferências do paciente”, enfatiza a profissional.