Saúde do Homem e os tabus da “masculinidade”

*por: Comunicação Inspirar

 Entre homens e mulheres – quem se cuida mais? Além da expectativa de vida menor do que das mulheres (aproximadamente sete anos), os homens são mais propensos a ataques cardíacos e problemas de pressão, entre outras enfermidades. Uma certa negligência com a saúde impera no lado masculino – talvez esteja até relacionada com a criação mais machista, afinal, desde pequenos eles ouvem a história de que “homem não chora”.

O fato é que a população masculina precisa se cuidar mais, e ainda quebrar alguns tabus (como do exame de próstata ou disfunção erétil, por exemplo).

Doenças cardiovasculares, como ataques cardíacos e derrames cerebrais, são as principais causas de morte masculinas no Brasil. Apesar de serem desencadeada por fatores ambientais, hereditários ou psicológicos, essas doenças tendem a ser desenvolvidas por meio de hábitos. Por isso, pressão arterial e obesidade são alguns dos fatores que aumentam os riscos.

Exame de próstata

Os exames de próstata mais comuns para detectar alterações, como inflamação ou câncer por exemplo, são o exame de sangue do PSA e o de toque retal, feito pelo urologista ou proctologista.

A indicação é que a partir dos 50 anos sejam realizados uma vez por ano. E se houver histórico familiar de câncer de próstata, a prevenção deve ser feita a partir dos 45 anos.

Disfunção erétil

A disfunção erétil (impotência sexual) é a dificuldade permanente do homem em obter ou manter uma ereção, podendo sinalizar doenças crônicas. Se ocorre frequentemente (uma vez a cada 4 relações sexuais), o ideal é buscar um médico.

Estima-se que a impotência sexual afeta 12% dos homens abaixo de 60 anos de idade, desmistificando a ideia de que se trata de um problema da idade. No entanto, é um fato que ele é mais frequente nos idosos: entre os maiores de 70 anos, o problema ocorre em 30% dos homens.

As causas da disfunção erétil são bastante variadas, podendo ser de origem física (como doenças vasculares), psíquica (depressão), ou até mesmo relacionadas ao estilo de vida (tabagismo). Atualmente existem vários tratamentos para a disfunção erétil.

Diabetes

O diabetes é uma doença que merece atenção: de acordo com o Ministério da Saúde, o número de homens diabéticos aumentou 54% no Brasil entre 2006 e 2017. Boa Vista, em Roraima, lidera o ranking de casos (9%) seguido de Belo Horizonte (8,6%) e Porto Alegre (8,3%). As taxas mais baixas estão em  Palmas (3,7%), Cuiabá (4,2%) e Teresina (4,6%).

Altos níveis de glicose no sangue, que geralmente levam a sintomas como sudorese excessiva, agitação, aumento da sede, sensação de cansaço, formigamento dos pés e das mãos e outros – são consequência dessa alteração na glicemia.

O incentivo para uma alimentação saudável e balanceada e a prática de atividades físicas é uma das prioridades do Governo Federal. Uma portaria do Ministério da Saúde proíbe venda, promoção, publicidade ou propaganda de alimentos industrializados ultraprocessados com excesso de açúcar, gordura e sódio e prontos para o consumo dentro das dependências do órgão.

A pasta também adotou internacionalmente metas para frear o crescimento do excesso de peso e obesidade no país. Durante o Encontro Regional para Enfrentamento da Obesidade Infantil, realizado em março de 2017 em Brasília, o país assumiu como compromisso deter o crescimento da obesidade na população adulta até 2019, por meio de políticas intersetoriais de saúde e segurança alimentar e nutricional; reduzir o consumo regular de refrigerante e suco artificial em pelo menos 30% na população adulta, até 2019; e ampliar em no mínimo de 17,8% o percentual de adultos que consomem frutas e hortaliças regularmente até 2019.